Políticos americanos não devem subestimar determinação de combate da China ( O PONTO DE VISTA CHINÊS)

Por Ji Ping

Recentemente, a grande interferência do governo dos EUA nos assuntos internos da China aumentou gradualmente e se intensificou.

Primeiro, se aproveitando da “epidemia” por vários meses seguidos, criando rumores, calúnias, esbanjando prestação de contas para “recuperar” os litígios indiscriminados. Depois, aprovou a venda de armas para Taiwan e apoiou descaradamente a “independência de Taiwan” para perturbar a situação no Estreito de Taiwan. Foi ridículo tentar intervir nos assuntos de Xinjiang sob o nome de “direitos humanos” e abrir os olhos de forças terroristas extremas e nomear “sanções” aos funcionários de Xinjiang.

Além disso, jogar a “carta de Hong Kong” em uma tentativa vã de obstruir a legislação da Lei de Segurança Nacional de Hong Kong falhou em simplesmente assinar a “Lei de Autonomia de Hong Kong”. Esse é um desafio flagrante para a linha de fundo da soberania nacional da China e um flagrante do confronto entre a China e os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, o porta-aviões dos EUA estava navegando no Mar da China Meridional, argumentando que a China “não tinha soberania” sobre o Mar, tentando minar a paz e a estabilidade no Mar da China Meridional.

Mais que isso, os políticos americanos como Mike Pompeo, Marco Rubio e Pete Navarro estão em todo o mundo para cercar a Huawei, com mentiras exaustivas, rumores, pressão, tentações e outras táticas numa tentativa de conter o desenvolvimento da China no campo da alta tecnologia. Há alguns dias, o New York Times citou uma pessoa familiarizada com o assunto dizendo que os Estados Unidos estão pensando em proibir os membros do Partido Comunista Chinês e suas famílias de viajarem para os Estados Unidos. Se essa informação for verdadeira, isso só poderá fazer com que os Estados Unidos sintam “tristeza”.

Tudo isso, cada peça, ocorreu nos últimos seis meses, com densidade rara e severidade ultrajante, condenada em uníssono pela comunidade internacional. A grande interferência dos Estados Unidos nos assuntos internos da China e o incitamento ao confronto entre a China e os Estados Unidos se desviaram seriamente da Carta das Nações Unidas. Foi uma violação flagrante do direito internacional e das normas de relações internacionais, e quebrou a justiça internacional e os resultados morais humanos.

Os Estados Unidos têm apenas um objetivo para todas as intervenções nos assuntos internos da China: estão fazendo todo o possível para conter o desenvolvimento da China e impedir o grande rejuvenescimento da nação chinesa. O objetivo final é colocar a China no caminho do desenvolvimento americano. O governo anterior dos EUA, independentemente dos falcões e pombas, tem uma atitude dura e suave, e diferentes meios de luz e escuridão, mas seu objetivo final é sempre o mesmo.

Os Estados Unidos são um “criminoso habitual” que interferem bastante nos assuntos internos de outros países. No decorrer da história da interferência americana no mundo, pode-se conhecer distinguir quem é quem. A lista de países que foram interferidos e “sancionados” é muito longa, alguns existem há décadas, como Cuba. Alguns países têm mais de dez anos, como Irã, Síria, Venezuela. A China não tem medo de repressão e “sanções”. Uma série de “pequenos truques” do governo dos EUA está fadada ao fracasso. O chamado “Ato de Autonomia de Hong Kong” é até um pedaço de papel velho.

A interferência é impopular, “as sanções” sempre foram uma faca de dois gumes. As sanções e medidas de contenção iniciadas pelos Estados Unidos contra a China acabarão prejudicando terceiros.

A China se opõe firmemente a qualquer pessoa que interfira nos assuntos internos de qualquer maneira, defendendo sem reservas a soberania nacional e os interesses nacionais, e nunca cederá aos princípios que envolvem os principais interesses do país. Os políticos americanos sempre subestimam a determinação da China, bem como a determinação de outros países. Eles até esperavam que a China fosse intimidada e engolida, e até “cooperasse” com eles.(Web editor: Renato Lu, editor)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *