O que Mato Grosso tem a ver com o Irã?

Mato Grosso não é um grande parceiro comercial dos Estados Unidos. Antes disso, é um grande concorrente dos estadunidenses, especialmente na exportação de soja para a China. Mas o Estado tem algo mais de “rebelde”: Segundo os dados da Secretaria de Comércio Exterior, Secex, órgão do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, MDIC, compilados pelo estudo da Secretaria Adjunta de Gestão e Planejamento Metropolitano de Mato Grosso, SAGPM, os Estados Unidos não figuram nem entre os 10 países para onde Mato Grosso mais exporta, lista encabeçada pela China e pelo…Irã.

China e Irã estão entre os principais adversários, digamos, políticos dos Estados Unidos. Condição que o presidente Trump faz questão de enaltecer. Mas são parceiros importantes para o desenvolvimento de Mato Grosso. O Irã, por exemplo, é o maior importador da região metropolitana do Vale do Rio Cuiabá. Sim, segundo a plataforma Trase, que acompanha o fluxo de diversas mercadorias pelo mundo, os produtos exportados pelos frigoríficos da região metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, tem no Irã seu destino principal. É o que nos mostra o compilamento desses dados feito pelo estudo “Mato Grosso e suas desigualdades” http://www.sinfra.mt.gov.br/documents/363190/13408089/Mato+Grosso+e+suas+desigualdades2-2.pdf/a74857b5-7bbd-cdac-f90d-ddb38533eb61

O estudo, além de apontar as desigualdades, também apresenta diversos padrões de comportamento comercial em Mato Grosso, o que nos permite constatar que o dito conservadorismo mato grossense não se aplica a economia internacional, e tem sido responsável por indicadores como o atual de Estado que menos perdeu arrecadação na pandemia do Covid 19. Sem dúvidas, “Pela estrutura primário exportadora da economia de Mato Grosso, o que não ajuda a transformar nossa economia em mais complexa, mas que nesse momento de recessão mundial manteve a estabilidade das exportações de Mato Grosso, por sua dependência das commodities alimenticias” disse Maurício Munhoz, secretário adjunto da SAGPM, em entrevista ao programa Bom Dia Metrópole, da Rádio Metrópole FM.

1 comentário em “O que Mato Grosso tem a ver com o Irã?”

  1. Stephanie Fatima Matins Quirino

    Considerando que o Irã é um grande importador na área agropecuarista (gado) de Mato Grosso, nos atemos tambem às exigências de abate do Irã, pois a religião é a base norteadora das relações política e comerciais, desse modo nos atemos que não é salutavel impor fronteiras comercial entre as nações, pois podemos manter relações estreitadas comercialmente respeitando as especificidades de cada mercado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *